domingo, abril 23, 2017

"Olha a Liberdade!" a Passar pela SCALA


Ontem a SCALA festejou Abril com Cultura, Convívio, Amizade e Alegria, com velhos e novos amigos que encheram a nossa casa (temos mesmo de comprar mais cadeiras...) e declamaram muita poesia com e em liberdade. Houve menos canções do que se poderia esperar, mas mesmo assim a Amélia recordou o Zeca com a sua bonita voz e conseguiu que quase toda a gente cantasse num coro sem afinações, como se quer nas festas.


O folheto que foi distribuído, com 25 quadros e 25 poemas e textos em liberdade, foi quase todo lido (o Aníbal, o Luís e Alzira homenagearam alguns dos ausentes...), para gáudio da assistência.

E no final a sede voltou a ser galeria, foi possível ver os 26 quadros (apareceu mais um à última hora para festejar a Liberdade...) com mais atenção, sentir o significado da liberdade em cada uma das pinturas, fotografias ou desenhos.


E o Gabriel resolveu dar-nos música com o seu órgão, o que foi aproveitado para algumas amigas mais divertidas ensaiarem um pé de dança.

(Fotografias de Luís Eme)

sexta-feira, abril 21, 2017

"Olha a Liberdade!" - As 25 Obras Expostas (3) - com texto de Ermelinda Toscano


Serei eu livre? Ou mera prisioneira?

Sentir a liberdade é acreditar numa ilusão?
Se a minha liberdade acaba onde começa a tua, afinal são grades o que avisto no horizonte! Sinto-me presa numa gaiola de vidro que me mostra o infinito mas, todavia, não me deixa voar.
Serei eu livre? Ou mera prisioneira?»

Ermelinda Toscano

quarta-feira, abril 19, 2017

"Olha a Liberdade!" - As 25 Obras Expostas (2) - Mais um texto de Diamantino Lourenço


Conceitos da Liberdade Pouco Poéticos

O sabor da liberdade é o daquele delituoso, na porta da prisão, após cumprimento da longa pena, respirando, enfim livre!...
Perguntemos às aves, aos pássaros que rasgam os céus entre continentes, e aos que se encontram engaiolados, mesmo em gaiolas douradas, qual o valor da liberdade.
E àqueles ancestrais naturais das Américas, do Alaska ao Chile, como era a liberdade antes e depois da chegada dos europeus, na sua sofreguidão pelo ouro.
Também perguntemos aos homens e mulheres, com anos de cárcere no Aljube, Caxias, Peniche, Tarrafal, prisioneiros sem o menor indício de qualquer crime, que só como livres pensadores pensarem de forma diferente dos próceres da Ditadura, os privarem da liberdade.
A todos aqueles políticos que se não cansam de expelirem, até à exaustão, a palavra liberdade para após a subida ao poder a encarcerarem.
A maior expressão da liberdade nos modernos tempos foi o 25 de Abril e o 1º de Maio.
Seguiram-se desmandos em nome dela, mas felizmente por aí continua para os corrigir.


Diamantino Lourenço

terça-feira, abril 18, 2017

"Olha a Liberdade!" - As 25 Obras Expostas (1)


Publicamos hoje os primeiros cinco quadros da exposição, "Olha a Liberdade!" (pela ordem como estão expostos na parede da Sede-Galeria da SCALA).

Informamos que a exposição poderá ser visitada de quarta a sexta, entre as 15 e as 18 horas, na sede da SCALA (rua Conde Ferreira).

segunda-feira, abril 17, 2017

"Olha a Liberdade!" (com o desabafo necessário do "administrador" do blogue...)


Este é o cartaz que devia ter sido colocado aqui na semana passada, antes da inauguração da exposição do passado sábado e que segundo me contaram ao telemóvel, correu bem.

"Olha a Liberdade!" é um título óptimo para tudo, até para o "administrador" deste blogue (Luís Milheiro...) dar a mão a palmatória, em relação a esta exposição (e a outras em que se tem fingido que está tudo bem...), mas apenas se dá mais um passo em frente, na esperança de que as coisas mudem...

Quando na véspera de se montar a exposição (quarta-feira), dos 25 artistas que se tinham comprometido a participar, faltavam três... a solução foi inventar, encontrar alternativas, descobrir artistas em casa, capazes de dizer sim, de um momento para o outro (foi desta forma que nasceu mais um quadro no cartaz inicial, as "Papoilas Livres" da Milena...).

Mas sei que não vou voltar a "inventar", nem tão pouco querer festejar o 25 de Abril com 25 artistas Scalanos...

Ou seja, se tudo tivesse corrido normalmente, este cartaz tinha sido publicado aqui na quinta-feira, antes de me deslocar para fora com a minha família...

quinta-feira, abril 06, 2017

A Inauguração do "Passeio dos Tristes"


Apesar de ser terça-feira, a inauguração da exposição de fotografia, "Passeio dos Tristes", contou com a presença de vários amigos, que além de animarem a sessão, segundo o autor, "exageraram nos elogios", às imagens de Cacilhas, do Ginjal, do Olho de Boi e da Arealva.


Imagens que foram mesmo organizadas em género de passeio, quase sempre com a cumplicidade do Tejo.

(Fotografias de Luís Eme e Mimi)

quarta-feira, março 29, 2017

Uma Visita Especial à Exposição "O Feitiço da Água"


Os alunos do Curso de Fotografia da Escola Ruy Luís Gomes, do Miratejo, visitaram a exposição de fotografia, "O Feitiço da Água", de Modesto Viegas, juntamente com a professora Guida Machado, que está patente na sede da SCALA até ao fim do mês.


Foi extremamente agradável assistirmos à troca de impressões dos jovens alunos sobre as fotografias de natureza do Modesto Viegas (que foi uma pena não estar presente...) com a cumplicidade da professora Guida Machado, que num registo informal, fez uma ronda junto dos seus alunos à procura das suas fotografias preferidas , sem esquecer de os questionar sobre alguns apontamentos técnicos, ligados às belas imagens do Modesto.


Foi muito gratificante para a SCALA ter recebido um grupo de alunos tão interessado e já bastante conhecedor dos segredos da arte da fotografia.

(Fotografias de Luís Eme)

terça-feira, março 28, 2017

"Partilhar um Monte de Histórias" na SCALA


No passado sábado recebemos na nossa sede um grupo de professoras que se preparam para fundar uma nova associação na nossa cidade, a "Almada Mundo", vocacionada para a educação, formação e inovação.


As professoras Adelaide Silva e Madalena Mendes fizeram a sua apresentação, para de seguida nos apresentaram a dinamizadora do projecto, "Partilhar um Monte de Histórias", Joaninha Duarte, que juntamente com mais quatro excelentes "efabuladoras", nos contaram cada uma a sua história, num feliz regresso à tradição oral, às histórias que muitos de nós ouvimos aos nossos avós, nos serões passados junto à lareira.


Depois desta extraordinária reposição das histórias populares, decorreu mais uma sessão de "Poesia à Solta".

(Fotografias de Luís Eme)